Treinamento físico na infância

0
731

Quantas vezes você já ouviu a frase: “Criança não pode treinar, pois atrapalha no crescimento”? e também: “a criança que pratica basquete ou vôlei cresce mais que as outras”. E a última, dentre tantas outra: “criança não pode frequentar/fazer academia/musculação, pois pode se machucar”. Hoje, neste texto, quero te auxiliar a quebrar alguns paradigmas que este ciclo da vida possui, relacionado a treinamento e atividades físicas.
Começaremos nosso bate papo com algumas questões relacionados ao treinamento, a infância, e o GH. O GH (Growth Hormone), ou hormônio do crescimento, é produzido pela glândula hipófise, situada no crânio, e está presente em vários processos fisiológicos, inclusive no crescimento, como o próprio nome já diz, porém, não apenas no crescimento ósseo, mas celular, desde músculos, derme, dentre outros. A infância é acompanhada por vários processos corporais complexos de amadurecimento biológicos, psicológicos, sociais e o crescimento é um dos processos mais notado e comentado. Já relacionado ao treinamento, vários estudos mostram que a prática de exercícios auxiliam na produção de GH.

Analisando tudo que foi escrito acima, podemos quebrar nosso primeiro paradigma não é? Criança pode treinar? DEVE! Mas não atrapalha no crescimento? NÃO! Hoje vemos que muitas crianças e jovens estão com sobrepeso, obesidade e doenças pertinentes a esses males. Devemos enxergar a obesidade tal como ela é, uma doença. E não estou falando de estética, falo de saúde. Sabe-se que a obesidade pode ocasionar Diabetes, hipertensão, hipercolesterolemia (colesterol alto) dentre outros males. Devemos mudar nossa visão de que criança obesa é criança saudável.

Já o nosso segundo tópico pode ser um pouco mais difícil de ser quebrado, pois temos atletas “grandes” nesses esportes, inclusive jovens. Entretanto, significa que esses esportes proporcionam um crescimento diferenciado nos praticantes, comparados aos que não praticam? Não é bem assim. Quando estamos falando de atletas de elite, com certeza eles serão maiores comparados ao restante da população de mesma idade, inclusive jovens, devido ao simples fato de ser competição de alto nível. No basquete e no vôlei, a altura é um atributo que pode ser de grande valia e de grande diferencial em uma partida, logo, a seleção e escolha de atletas para competições de alto nível, tendem a priorizar praticantes de maior estatura, o que nem sempre significa que determinado esporte possa ser mais benéfico para o crescimento de uma criança comparado a outro esporte.
E por último, criança não pode treinar ou fazer academia, pois pode se machucar… Toda e qualquer atividade física, desde que seja bem orientada, para qualquer idade, pode trazer benefícios. Assim como exercícios mal feitos e mal orientados podem lesionar qualquer praticante em qualquer idade. As escolas possuem aulas de educação física por vários propósitos, um deles é auxiliar as crianças no ganho de força muscular, consciência corporal, coordenação motora, valências físicas que “protegem” as crianças das lesões. Uma sala de musculação de uma academia pode não ser um ambiente agradável e seguro para uma criança treinar por exemplo, mas os exercícios oferecidos à eles na sala de musculação podem ser adaptados em aulas, já que o maior risco de lesão das crianças em uma academia, não é o treinamento em si, e sim os aparelhos, pois o manuseio dos mesmos requer força, cuidado, atenção, e isso não cabe aos pequenos. Em um tempo onde as crianças estão cada vez mais conectadas, sedentárias e obesas, precisamos arrumar alternativas para prevenir que nossos pequenos se tornem adultos doentes, e para isso, precisamos mudar também nossos hábitos e ser exemplo para os filhos, sobrinhos. Leva-los para treinar, passear no parque, praticar esportes, conhecer aulas de dança, lutas, ou até mesmo academias especializadas nesse público que todos nós amamos.


Ricardo Marcelino de Lima
Coordenador/Professor Fitness
limaricardo.professor@gmail.com

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário
Digite seu nome