FIQUE LIGADO

 “Circuito Cruzeiro” tem workshop e passeio do Tietê a Santana

Foto: Divulgação  –

Atividades desenvolvidas no Sesc Santana exploram o turismo em nossa região

O Sesc Santana (Avenida Lui Dumont Villares, 579 – Santana) recebe Wans Spiess e Renato Cymbalista, do Coletivo PISA, no dia 26 de maio, das 19h às 21h, para a realização do workshop “Circuito Cruzeiro: Caminhar na cidade, aprender com a cidade”.

Não recomendado para menores de 16 anos e gratuito, no workshop, o coletivo procura promover jornadas de conhecimento na cidade de São Paulo, que aliás, não foi feita para o turismo. Sem paisagens naturais, produzida pelo capital imobiliário, cortada por grandes estruturas de engenharia como pontes, viadutos, avenidas, rios escondidos e canalizados. Apesar disso tudo, mais e mais paulistanos vêm decidindo que a sua metrópole é caminhável, mesmo com todos os desafios e desigualdades.

Uma cidade que não se apresenta pronta para a caminhada precisa de profissionais que nos ajudam a revelá-la, a interpretá-la. O workshop traz a experiência de alguns desses projetos, as suas apostas e técnicas que permitem que se aproveite a metrópole do trabalho também como metrópole do passeio: Como anda, Coletiva PISA, Calçada SP, Guia dos Lugares Difíceis de São Paulo, o Que Mais Tem Lá, são algumas das experiências e coletivos abordados nesta oficina, coordenada por Wans e Renato.

No dia 28 de maio, sábado, das 9h às 13h, o Coletivo PISA, realizará o passeio “Circuito Cruzeiro: do Tietê a Santana”. Não recomendado para menores de 16 anos e totalmente gratuito (entrega de senhas com 30 minutos de antecedência), Wans e Renato estarão no Sesc Santana para um passeio entre o Tietê e Santana.
O percurso testa as possibilidades turísticas da avenida Cruzeiro do Sul, o antigo trajeto da estrada de ferro da Cantareira, que teve diferentes funções. A estrada de ferro foi construída no final do século 19 para carregar o material de construção do sistema Cantareira de reservatórios de água. Logo ficou claro que servia também para transportar gente dos subúrbios da cidade que crescia. A Cantareira foi desativada em 1965, e logo iniciou-se a construção do Metrô.

Na Cruzeiro do Sul, o Metrô é uma grande estrutura de concreto conectada à Rodoviária do Tietê, um dos maiores terminais do mundo. Embaixo da linha, nos pilares do Metrô foi criado o Museu Aberto de Arte Urbana (MAAU), onde existem trabalhos de alguns dos maiores artistas de graffitti da cidade.
Fica também na Cruzeiro do Sul uma das memórias mais traumáticas da cidade, a do presídio do Carandiru, onde em 1992 foram assassinados 111 detentos. O presídio foi desativado algum tempo após o massacre, e em seu lugar foi construído o Parque da Juventude. O percurso é finalizado no Parque, onde podemos perceber não apenas os sinais do apagamento, mas também marcas da memória de um passado e um presente carcerário.
A Cruzeiro do Sul dá turismo? Essa é a pergunta que este passeio quer responder.

Deixe uma resposta