CULTURA E LAZER

Maurício Tizumba estará no programa Música no Deck do Sesc Santana

Foto: Reprodução/Facebook  –   

O cantor apresenta suas músicas de raiz afro-mineira que caracterizam sua longa trajetória artística

O Sesc Santana apresenta no dia 20/11, sábado, a partir das 19h, em formato on-line e gratuito, o show com o cantor, compositor e multi-instrumentista Maurício Tizumba.

O mineiro de 63 anos apresenta suas músicas de raiz afro-mineira que caracterizam sua longa trajetória artística. Apresentação em forma de videoconcerto gravado, disponibilizado nos canais do Sesc Santana no YouTube, Facebook e Instagram.

O multifacetado Maurício Tizumba é ator, compositor, cantor, multi-instrumentista, diretor musical e capitão de congado e um dos mais populares artistas de Minas Gerais. Estabeleceu em sua trajetória – que começou quando ainda era criança, na extinta TV Itacolomi – diálogo entre diversas linguagens e entre a arte e as manifestações populares tradicionais da cultura afro-brasileira e afro-mineira.

Formado pelo Teatro Universitário da UFMG, e transitando pelo cinema, pela TV e pelo teatro, atuou em 28 espetáculos, sendo 25 musicais, entre eles, a trilogia de João das Neves: “Bituca”, com músicas de Milton Nascimento, e “Besouro Cordão de Ouro” e “Galanga Chico Rei”, com composições de Paulo César Pinheiro (a experiência deste último se desdobrou em um álbum homônimo, o sexto da carreira, criado em parceria com Sérgio Santos).

Ainda no teatro, participou da fundação da Cia. Burlantins, em 1996, quando iniciou os trabalhos junto a Tim Rescala – encontro que se desdobrou nos musicais “Pianissimo”, “A Sombra do Sucesso” e A Turma do Pererê”, e na opereta “O Homem que Sabia Português”.

Pela atuação como o jumento do infantil “Os Saltimbancos”, foi agraciado com o Prêmio Zilka Salaberry, em 2010. É idealizador, ainda, da Mostra Benjamin de Oliveira, do Espaço Cultural Tambor Mineiro e do festival Festejo do Tambor (em que guardas e irmandades do Rosário, grupos percussivos e artistas se encontram para celebrar a cultura reinadeira/congadeira e a influência banto na música produzida no país, no Estado e na capital mineira).

Já excursionou por Estados Unidos, Canadá e Europa, e foi um dos representantes de Minas Gerais no “Ano do Brasil na França”. Com o grupo de tambor mineiro, participou do New Orleans Jazz Festival e por quatro edições do Landesmusikakademie, em Berlim. “Sá Rainha” e “Maurice a Paris” estão entre as composições mais conhecidas de Tizumba.

Deixe uma resposta