PET

Pets podem doar sangue e salvar outros animais em situação crítica

Foto: Divulgação  –   

O procedimento é seguro, indolor, minimamente invasivo e dura entre 15 e 20 minutos

Tal e qual acontece no cenário humano, muitos são os pedidos de doação nos bancos de sangue destinados aos animais. Pouco divulgada, a iniciativa ainda causa medo em tutores que poderiam intermediar a boa ação e aumentar os estoques nos laboratórios. É o que explica Everson Paludo, responsável técnico pela Virtus, empresa que se dedica à hemoterapia em Caxias do Sul, na serra gaúcha.

“Ninguém está livre de sofrer um acidente ou descobrir uma doença grave, nem mesmo os nossos pets. Da mesma forma que hospitais e laboratórios solicitam doadores para salvar vidas, os veterinários também fazem parte dessa luta. E, infelizmente, muitos animais morrem por falta de bolsas de sangue”, diz.

O processo de doação para os pets dura cerca de 15 minutos e não possui contraindicação. “Nunca tivemos contratempos nos processos de doação. É um procedimento seguro, indolor, minimamente invasivo e rápido. Além disso, o animalzinho sai do banco de sangue com o check up completo e sem custos”, acrescenta ele.

Porém, há alguns requisitos para doar, como explica a veterinária responsável pela Monello Select, da Nutrire, Cecílie Papais. “Os gatos devem ter mais de 4 kg e idade entre um e oito anos. É fundamental que não tenham acesso à rua, sejam livres das patologias FIV e FeLV e, claro, estejam com a vacinação e a vermifugação em dia. Os cães acima de 25kg e com idade entre um e oito também podem doar. Fêmeas gestando ou no CIO ficam de fora da lista de possíveis doadores”, indica.

A maioria das bolsas felinas – cerca de 80% – se destina aos pacientes FeLV+. No caso dos cachorros, hemoparasitoses, como a doença do carrapato, e hemorragias por traumas, neoplasias e acidentes são as doenças que mais necessitam de sangue.

Para tutores que têm dúvidas quanto ao procedimento, a especialista dá detalhes de como ocorre a doação. “O primeiro passo é realizar exames de laboratório e a checagem de algumas doenças que poderiam impedir a ação. No caso de laboratórios especializados, isso é feito no próprio local da coleta e, geralmente, não possui custo. O sangue é coletado diretamente na bolsa apropriada, sob constante agitação para homogeneizar e evitar a formação de coágulos”, diz a veterinária da Nutrire.

Outra grande dúvida dos tutores é sobre a tipagem dos pets, mas a veterinária da Nutrire esclarece que o processo de transfusão precisa ser entre animais da mesma espécie, independente da raça. “Enquanto nós, humanos, temos sangue dos tipos A, B, AB e O, os gatos contam com três tipos sanguíneos e os cães possuem 13. É essencial que o veterinário responsável pelo procedimento avalie criteriosamente esses precedentes antes de realizar a transfusão sanguínea”, esclarece.

Para os tutores que desejam tornar seus pets doadores de sangue, Cecílie recomenda que procurem um veterinário de confiança para essa indicação. “Não é difícil encontrar um animal que esteja precisando de doação, menos ainda uma clínica ou laboratório que faça com segurança esse procedimento”, diz.

A médica acrescenta ainda que a atitude é uma forma também de ajudar animais abandonados e resgatados da rua com necessidade de transfusão de sangue. “Além disso, a gente nunca sabe quando nosso pet vai precisar de uma intervenção mais séria, por isso, fazer a nossa parte é uma obrigação necessária para o bem de todos eles”, conclui.

Paludo completa que quanto mais pets forem doadores, mais comum será ter disponibilidade de estoque permanente, como é o caso da Virtus. “Esse é o mês em que se comemora o Dia Mundial do Doador de Sangue e nós que trabalhamos com isso, claro, sabemos o quão é importante atender a demanda e permitir que esses animais necessitados de sangue sejam atendidos a tempo hábil de salvar suas vidas. Doar sangue é doar vida”, finaliza.

Deixe uma resposta