EDUCAÇÃO

{reprograma} abre 720 vagas para formação de mulheres programadoras no Brasil

Alunas do Todas em Tech durante a formação on-line sobre programação {reprograma} – Foto: Divulgação

As interessadas podem se inscrever a partir de 4 de janeiro

A fim de contribuir para o aumento da presença feminina no setor de tecnologia da informação (TI) e diminuir a lacuna de gênero na área, a {reprograma}, startup social paulistana, anuncia as inscrições para a terceira fase do Todas em Tech (TemT), projeto que visa ensinar programação para mulheres em vulnerabilidade, preferencialmente negras, trans e travestis. Ao todo serão 720 vagas para as oficinas que irão selecionar 120 mulheres para formarem três turmas do programa Todas em Tech.

A partir do dia 4 de janeiro, as interessadas podem se inscrever pelo link: http://www.reprograma.com.br/todas-tech. Com o objetivo de impactar 2,4 mil mulheres até o final de 2022, o programa destinará cerca de, no mínimo, 55% das vagas para mulheres negras e, no mínimo 5%, para mulheres trans e travestis. Dentro desse número total de participantes, 400 mulheres serão formadas como desenvolvedoras front-end e back-end.

A fundadora da {reprograma}, Mariel Reyes Milk, explica que o objetivo para o próximo ano é se conectar principalmente com o público feminino do Norte e Nordeste. “Essas regiões, infelizmente, já são desprovidas socialmente de oportunidades. Nosso foco é gerar oportunidades de carreira para meninas e mulheres que sonham em ter uma chance e para aquelas que se conectam diariamente com a área de tecnologia”, comenta.

Empoderar e capacitar essas mulheres estão entre os valores do TemT, visto que isso também é possível por conta da parceria de grandes empresas do setor, BID Lab, Laboratório de Inovação do Grupo Banco Interamericano de Desenvolvimento, Accenture, Creditas, Easynvest, Meta (antigo Facebook), iFood e Nubank, estão entre as apoiadoras.

Como o programa vai funcionar?
Para o 1º semestre de 2022, serão disponibilizadas três turmas: duas de back-end e uma de front-end.  As interessadas em participarem do Todas em Tech deverão se inscrever no site do programa e enviar um vídeo de até um minuto de duração. Vale ressaltar que as mulheres trans e travestis, que não se sentirem confortáveis em enviar vídeos, podem enviar áudios.

As oficinas têm como objetivo apresentar o universo de programação e desenvolvimento. Nas oficinas de front-end as alunas terão uma introdução a HTML e CSS. Nas oficinas  de back-end as alunas terão uma introdução sobre a lógica de programação e JavaScript.

Após as oficinas serão selecionadas 120 mulheres para as terceiras turmas do programa: 80 para as turmas de back-end e 40 para a turma de front-end.

Como resultado do aprendizado das oficinas, as alunas produzirão uma página pessoal para enviarem a recrutadores ou clientes, para estimular a entrada no mercado de tecnologia. Os cursos on-line e gratuitos iniciarão em março e terão uma duração de 18 semanas.

As vagas são destinadas a mulheres de qualquer região do Brasil, com preferência para mulheres negras e/ou trans e travestis. As inscrições se encerram no dia 04 de fevereiro.

Deixe uma resposta